您目前的位置: 首页» PORTUGUÊS

A Universidade de Economia e Negócios Internacionais(UIBE, na sua sigla inglesa), fundada no ano de 1951, é uma universidade multidisciplinar muito conceituada na China, tendo a economia, a gestão, o direito e a literatura como as suas principais áreas de especialização académicas. Desde a sua fundação, a universidade mantém-se firme ao seu lema:“Erudição, Honestidade, Persistência e Perfeição”, orientada pela diligência e inovação constantes.

Atualmente, a UIBE tem 15 Faculdades, 1 Centro de Estudos de Pós-Graduação e 1 Centro de Educação Física, oferecendo mais de 1440 cursos de licenciatura, 1000 de mestrado e 100 de doutoramento.

Em 1989, a UIBE tornou-se a primeira universidade na China a ter um Conselho Diretivo, cujos membros fazem parte do Ministério de Comércio e Cooperação Económica Exteriores (antecessor do Ministério do Comércio), de empresas estatais de comércio internacional, dos Serviços alfandegários, do Banco da China, da Companhia Nacional de Seguros e da Câmara de Comércio de Hong Kong. Li Lanqing, o ex-primeiro-ministro do Conselho de Estado, assumiu a presidência deste órgão, e foi sucedido no posto por Wu Yi, a ex-vice-primeira-ministra do Conselho de Estado.

A UIBE é pioneira no estabelecimento de parcerias internacionais e atualmente tem acordos com mais de 120 universidades estrangeiras e organizações internacionais.

 

Datas Importantes

1951 A UIBE foi fundada como Instituto de Comércio Exterior de Pequim, sob a liderança do Ministério de Comércio e Cooperação Económica Exteriores.

1954 O primeiro grupo de estudantes internacionais matriculou-se.

1960 A UIBE foi designada como uma universidade-chave pelo governo chinês devido aos seus excelentes programas académicos.

1984 A UIBE foi renomeada como Universidade de Economia e Negócios Internacionais.

1989 A UIBE tornou-se a primeira universidade na China a ter um Conselho Diretivo.

1997 A UIBE foi adicionada à lista de universidades do"Projeto 211", um programa governamental que se destina a transformar 100 universidades chinesas em instituições académicas de alta qualidade no século XXI.

2000 A UIBE fundiu-se com o Instituto de Finanças e Comércio Bancário da China e tornou-se uma das universidades sob responsabilidade direta do Ministério da Educação.

2010 A UIBE anunciou a criação da sua própria Fundação para a Educação, através da qual aceita doações.

2010 O Ministério do Comércio e o Ministério da Educação assinaram um acordo para apoiar conjuntamente a universidade.

 

Estatísticas Relevantes

Corpo Docente:

1014 professores de nacionalidade chinesa e 138 estrangeiros (incluindo 38 em tempo integral e 100 em tempo parcial)

Pessoal Administrativo:

685

Calendário Académico:

Dois semestres de 18 semanas e um curso de verão de um mês

Programas de Graduação:

Programas de Licenciatura - 39

Programas de Mestrado - 73

Programas de Doutoramento - 32

Número de Livros na Biblioteca:

1,600,000

Estudantes (Tempo Integral):

De nacionalidade chinesa - 8423 alunos de graduação e 4826 graduados

Estudantes estrangeiros - 3100 de 129 países

 

Empregabilidade dos Estudantes (até setembro de 2014):

Alunos de Graduação: 97,81%

Alunos de Pós-Graduação:99,22%

Parcerias Internacionais (até setembro de 2014):

200 memorandos de entendimento e acordos com 133 parceiros de 41 países e regiões.

Instituto Confúcio:

Até 2014, a UIBE estabeleceu sete Institutos Confúcio no Japão, Rússia, Grécia, México, Estados Unidos, Reino Unido e Brasil. Um novo já foi aprovado pela Comissão Internacional da Língua Chinesa (Hanban) para ser estabelecido no Malawi em 2014.

Doações Recebidas(até setembro de 2014):

Mais de 210 milhões de RMB

 

Programas Académicos

A UIBE oferece uma grande variedade de programas académicos de licenciatura, mestrado e doutoramento em economia, administração de empresas, direito e linguística. Cursos como Comércio Internacional, Direito Internacional Económico, Gestão de Negócios Internacionais e Inglês foram designados como programas-chave do "Projeto 211".

Além dos programas de licenciatura, a UIBE oferece também cursos de certificação profissional, de ensino à distância e de formação contínua de executivos, destinados aos funcionários governamentais chineses e estrangeiros, líderes empresariais e académicos.

 

Investigação

Desde a sua fundação em 1951, a UIBE tornou-se rapidamente líder da China em pesquisa e ensino de economia e comércio internacionais, agindo como um íman para os melhores especialistas em economia e finanças na China. Hoje, a UIBE possui mais de 80 institutos e centrosde investigação.

A UIBE trabalha ativamente em conjunto com ministérios, empresas públicas e privadas e organizações internacionais. Os seus parceiros incluem a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), a Organização Mundial do Comércio (OMC), a União Europeia (UE), o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) e o Fórum Boao para a Ásia (BFA).

A UIBE organiza anualmente cerca de 30 simpósios e seminários internacionais, publica centenas de livros, manuais, materiais multimédia, teses e periódicos. Entre 2006 e 2011, o corpo docente da UIBE publicou 1110 livros e 5210 artigos.

 

Cooperação e Intercâmbios Internacionais

A UIBE atribui grande importância à cooperação e intercâmbios internacionais.Estabeleceu parcerias formais com mais de 120 universidades estrangeiras e organizações internacionais. Em colaboração com os seus parceiros, a UIBE incentiva ativamente o diálogo entre os estudantes chineses e estrangeiros através de uma miríade de intercâmbios culturais e programas académicos no exterior, a fim de preparar os alunos para o mercado global. Em 2011, mais de 600 alunos da UIBE participaram em intercâmbios no exterior.

 

Estudantes Internacionais

Ao receber o seu primeiro grupo de estudantes internacionais em 1954, a UIBE foi uma das primeiras universidades na China a abrir as portas aos estudantes estrangeiros. Hoje em dia, a UIBE recebe estudantes internacionais oriundos demais de 125 países.

 

Recursos e serviços pedagógicos em língua e cultura

A UIBE alberga o Centro Internacional de Desenvolvimento de Ensino e Recursos do Chinês de Negócios(Pequim), que sob a liderança do Instituto Confúcio(Hanban), promove ativamente o ensino da língua chinesa no exterior, treina leitores, publica manuais bem como materiais digitais(e-teaching), organiza atividades interculturais, conferênciase seminários dentro e fora da China e funciona como centro de certificação da língua chinesa HSK e BCT.

A UIBE alberga também o Centro de Pequim, um centro de  investigação criado principalmente para estudantes e académicos americanos. O centro tem a maior coleção de livros em inglês sobre a China na cidade de Pequim.

 

 Vida no Campus

Bolsas e Auxílios Financeiros

A UIBE presta apoio aos seus alunos através dos Serviços Académicos bem como os Gabinetes de Apoio aos Estudantes, de Desenvolvimento Profissional, de Empreendedorismo e Inovação e ainda a Associação de Estudantes.

Cada ano, a UIBE atribui milhões de RMB em bolsas de estudo e auxílios financeiros para estudantes chineses e estrangeiros. As bolsas de estudo atribuídas aos estudantes internacionais provêm do governo central chinês, do Município de Pequime da própria UIBE.

 

Localização e atividades estudantis

Localizadano distrito de Chaoyang, um dos centros financeiros mais dinâmicos e internacionais do Município de Pequim, a UIBE oferece aos seus alunos a oportunidade de participar ativamente em atividades interculturais e mergulhar no mundo dos negócios internacionais por forma a promover a sua autonomia e consciência multicultural.

 A UIBE estabeleceu 77 clubes abertos aos estudantes chineses e estrangeiros, que organiza centenas de programas e conferências multiculturais no campus, incluindo o Festival Internacional da Cultura, o Fórum dos Embaixadores e a Semana da Aldeia Global. Todos os anos, a UIBE convida centenas de líderesde governos e organizações internacionais, catedráticos de renome e gerentes de empresas multinacionais para dar palestras e seminários sobre questões globais.

 

Reputação e Alumni

Desde a sua fundação que a reputação da UIBE como centro de formação de altos funcionários do Ministério do Comércio sob a liderança do governo chinês se tem vindo a consolidar. Os alunos formados na UIBE desempenham papéis importantes nos ministérios e serviços alfandegários chineses, nas empresas financeiras chinesas, em empresas multinacionais, embaixadas, outras universidades e organizações internacionais como a OMC, o FMI eo Banco Mundial.

 

Alguns dos alumni notáveis

Lin Jianhai, secretário do Fundo Monetário Internacional (FMI), nomeado em março de 2012.

Shi Guangsheng, ex-ministro do Ministério de Comércio e Cooperação Económica Exteriores.

Zhou Wenzhong, ex-embaixador chinês para os Estados Unidos.

Gao Xiqing, principal executivo da Corporação para o Investimento da China (CIC).

Zdzislaw Goralczyk, ex-embaixador polaco para a China.

 

Contacto

Universidade de Economia e Negócios Internacionais, Huixin Dongjie Nº.10, Distrito de Chaoyang, 100029, Pequim, China.

Fax: +86(10)64493860

Homepage: www.uibe.edu.cn

Página para os alunos estrangeiros: www.uibe.cn

 A Faculdade de Estudos Estrangeiros da UIBE, originalmente chamada Segundo Departamento da Faculdade de Comércio Exterior de Pequim, foi fundada no ano de 1954. Presentemente, a Faculdade é composta pelos doze departamentos, incluindo o Departamento de Árabe, Francês, Alemão, Italiano, Japonês, Coreano, Russo, Espanhol, Vietnamita, Português, Persa e Grego. Para além dos recém-criados Cursos de Língua Portuguesa, Persa e Grego, os outros nove departamentos todos foram estabelecidos na década de 50 do século XX. Dentro das doze línguas, o árabe, o espanhol, o japonês e o grupo de línguas não-francas (composto pelo coreano, italiano, vietnamita e português), são postos de construção das especialidades de característica a nível nacional, dentro os quais, o árabe, o espanhol e o grupo de línguas não-francas ainda são, simultaneamente, postos de construção das especialidades de característica a nível municipal.

Atualmente, a Faculdade de Estudos Estrangeiros possui um programa de doutoramento (Estudos de Língua Estrangeira Comercial) da disciplina secundária, um programa de mestrado (Língua e Literatura Estrangeira) da disciplina de ponta e nove programas de mestrado da disciplina secundária (Língua e Literatura Japonesa, Língua e Literatura Arábica, Língua e Literatura Alemã, Língua e Literatura Hispânica, Língua e Literatura Russa, Língua e Literatura Francesa, Língua e Literatura Asiática-Africana, Língua e Literatura Europeia e Linguística Estrangeira e Linguística Aplicada).

Ao longo da sua fundação, milhares de graduados, que têm sido cultivados pelos departamentos da Faculdade, trabalharam e estão a trabalhar nas diversas áreas, nomeadamente, áreas económicas e de comércio internacional, servindo a construção nacional. Muitos deles tomam cargos pilares das próprias entidades, como por exemplo, o ex-ministro do Comércio Exterior, Sr. Dr. Shi Guangsheng; o presente vice-governador provincial da Província de Guangdong, Sr. Dr. Song Hai; o presente secretário-geral adjunto da Comissão Permanente do Congresso Nacional do Povo, Sr. Dr. Cao Weizhou e a presente diretora-adjunta do Gabinete de Ligação da China em Hong Kong, entre outros.

Os doze departamentos da Faculdade são em grande parte membros e/ou membros permanentes das respetivas Associações Nacionais de Ensino e Sociedades de Literatura. Para além disso, o Departamento de Japonês toma simultaneamente a presidência na Associação de Pesquisa de Japonês para Negócios Internacionais da China. Hoje em dia, os professores catedráticos da Faculdade são membros e/ou membros permanentes em diversas organizações académicas, uns deles até ocupam cargos importantes como secretário-geral, vice-presidente ou presidente.

Durante o processo de desenvolvimento da Faculdade de Estudos Estrangeiros, apareceram um grande número de estudiosos e professores bem conhecidos, nomeadamente Prof. Chen Tao, Song Wenjun, Shen Daming, Zhang Xiongwu, Zhao Run, Jiang Xindao e Xiao Tianyou, entre outros. Hoje em dia a Faculdade também se orgulha da sua equipa altamente qualificada de ensino e de pesquisa. Dos 79 membros do corpo docente, 20 são professores titulares e 31 são professores associados. Entre eles, 42 (53,16%) já obtiveram doutorado. Os professores vão frequentemente para o estrangeiro dar palestras ou participar nos simpósios internacionais, e mais de 90% deles contam com a experiência de estudar fora. Muitos foram premiados ou recebidos pelos líderes dos países de língua-alvo devido à sua contribuição relevante no âmbito de ensino e de pesquisa académica. Atualmente os professores da Faculdade estão a realizar mais de 10 projetos apoiados ou pela Academia Nacional do Fundo de Ciências Sociais ou por províncias e ministérios.

Os estudantes da Faculdade são provenientes de toda a China, contanto com habilidades e competência. O número total de estudantes de graduação e pós-graduação da Faculdade atualmente somam mais de 800 e 100, respetivamente. Os graduados são muito bem vindos pelo mercado de trabalho graças ao nosso modo de treinamento internacionalizado e interdisciplinar, à combinação de negociação e línguas estrangeiras, bem como aos treinamentos trilíngues. A Faculdade de Estudos Estrangeiros enfatiza o ensino orientado pela prática. Hoje em dia, possuímos uma base extramural de treinamento de talentoa nível municipal e seis bases de estagiário profissional. Durante o seu estudo, cerca de metade dos nossos alunos têm oportunidades de ir para o estrangeiro estudar, fazer estágio ou participar nas atividades de intercâmbio cultural.

Estabelecido no ano de 2009, o Departamento de Português da Faculdade de Estudos Estrangeiros oferece o curso de língua estrangeira muito recente da UIBE. Presentemente, o Departamento de Português tem três professores chineses e uma leitora de nacionalidade portuguesa.

Os estudantes que frequentam o Curso de Licenciatura do Departamento de Português têm como áreas principais, entre outras, língua e literatura portuguesas, conhecimentos comerciais, teorias e conhecimentos básicos sobre economia, política, relações diplomáticas e cultura social dos países lusófonos.

A orientação educacional deste departamento consiste em formar indivíduos altamente qualificados e amplamente preparados, na área da Língua Portuguesa e de comércio, possuir competências laborais para exercerem atividade em instituições governamentais, empresas estatais de grande escala e/ou empresas estrangeiras.

As disciplinas principais são as seguintes: Língua, Leitura, Conversação, Laboratório, Generalidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa, Correspondência e Documentação Comercial, Literatura, Textos Económicos e Comerciais, Tradução, Redação, Interpretação e Negociação Económico-Comercial, etc,.

Desde a criação do Departamento de Português, têm-se verificado excelente contato com as embaixadas dos países de língua-alvo comprovada pela realização de iniciativas culturais organizadas pelas embaixadas mencionadas. Para além disso, mantém-se uma boa relação de intercâmbio com instituições académicas estrangeiras. Foi celebrada a assinatura de um memorando em março de 2010 com a Universidade de Lisboa. Neste acordou-se cooperação no âmbito de formação dos alunos de português e troca académica entre as duas universidades. Em setembro de 2011, a primeira turma do curso foi para Portugal frequentar o curso anual na Universidade de Coimbra e todos os alunos obtiveram resultados frutíferos e experiências inesquecíveis. Para consolidar a cooperação com a Universidade referida, em fevereiro de 2013, uma delegação da UIBE, chefiada pelo reitor, Prof. Doutor Shi Jianjun, deslocou-se a Portugal e nesta estadia, foi celebrada a assinatura de dois protocolos com a Universidade de Coimbra, um Acordo de Cooperação entre as duas Universidades e um outro Acordo de Intercâmbio de Estudantes. Em fevereiro de 2014, celebrou-se o acordo de intercâmbio de estudantes entre a UIBE e a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) do Brasil, em que afirmou que haverá, anualmente, um ou dois candidatos chineses do Curso de Português a ser envolvidos do programa de intercâmbio, com a isenção da propina oferecida pela FAAP.

Em fevereiro de 2013, a delegação da UIBE, chefiada pelo reitor Prof. Doutor Shi Jianjun, deslocou-se a Portugal e nesta estadia, foi celebrada a assinatura de dois protocolos com a Universidade de Coimbra, um Acordo de Cooperação entre as duas Universidades e um outro Acordo de Intercâmbio de Estudantes.

No primeiro protocolo referido, com a finalidade de estabelecer uma cooperação académica, científica e cultural entre as duas Universidades nas áreas de Economia, Gestão e Relações Internacionais, ambas as Universidades concordam em desenvolver programas conjuntos visando prioritariamente aos seguintes aspetos: intercâmbio de estudantes; intercâmbio de membros do corpo docente e do quadro técnico de nível superior; participação em seminários e encontros académicos; elaboração de atividades conjuntas de pesquisa; atividades de intercâmbio cultural; participação conjunta em cursos internacionais.

No Acordo de Intercâmbio de Estudantes, as duas partes chegam a acordo sobre o funcionamento e os regulamentos relevantes em torno da execução do programa, no qual se destaca uma cláusula que a Universidade de Coimbra aceitará estudantes inscritos no terceiro ano da licenciatura de Língua Portuguesa da UIBE para frequentar, a tempo inteiro, o curso de Português para Estrangeiros, bem como para a frequência de outras unidades curriculares regulares lecionadas em língua portuguesa.

Em setembro de 2011, a primeira turma de português da UIBE foi para Portugal frequentar o curso anual na Universidade de Coimbra e todos os alunos obtiveram resultados frutíferos e experiências inesquecíveis. Em setembro de 2013, a segunda turma de língua portuguesa irá frequentar o mesmo curso na Universidade de Coimbra, ao abrigo do protocolo de intercâmbio de estudantes acima mencionado.

Em fevereiro de 2014, celebrou-se o acordo de intercâmbio de estudantes entre a UIBE e a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) do Brasil, em que afirmou que haverá, anualmente, um ou dois candidatos chineses do Curso de Português a ser envolvidos do programa de intercâmbio, com a isenção da propina oferecida pela FAAP.

 

Universidade de Coimbra

A Universidade de Coimbra (sigla: UC) é uma universidade localizada na cidade de Coimbra, em Portugal. É uma das universidades mais antigas ainda em operação na Europa e no mundo e a mais antiga de Portugal.

A sua história remonta ao século seguinte ao da própria fundação da nação portuguesa, dado que foi criada no século XIII, em 1290, mais especificamente a 1 de março, quando foi assinado em Leiria, pelo Rei D. Dinis I, o documento Scientiae thesaurus mirabilis, o qual criou a própria universidade e pediu ao Papa a confirmação.

Inicialmente confinada ao Palácio Real, a Universidade espraiou-se por Coimbra, modificando-lhe a paisagem, tornando-a na cidade universitária, alargada com a criação do Pólo II, dedicado às engenharias e tecnologias, e de um terceiro Pólo, devotado às ciências da vida. Estudar na Universidade de Coimbra é dar continuidade à história da matriz intelectual do país, que formou as mais destacadas personalidades da cultura, da ciência e da política nacional.

Hoje, a Universidade de Coimbra conta com oito Faculdades (Letras, Direito, Medicina, Ciências e Tecnologia, Farmácia, Economia, Psicologia e Ciências da Educação, Ciências do Desporto e Educação Física) e possui cerca de 22 mil alunos, abrigando uma das maiores comunidades de estudantes internacionais em Portugal, sendo a sua universidade mais cosmopolita .

Além disso, é o membro-criador do chamado Grupo Coimbra, uma rede de universidades europeias cujo objetivo é a colaboração académica entre elas.

Com mais de sete séculos, a Universidade de Coimbra conta com um património material e imaterial único, peça fundamental na história da cultura científica europeia e mundial. Um património que a UC candidatou a Património Mundial da UNESCO.

in  http://www.uc.pt/sobrenos/historia

e https://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_de_Coimbra, acedido a 30 de maio de 2013

 

FAAP

Gerações de executivos, artistas plásticos, arquitetos, advogados, engenheiros, publicitários, designers e cineastas, entre outros tantos profissionais, marcam a história de sucesso da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP). Reconhecida por sua tradição ligada às artes e pelo padrão de qualidade de ensino, a FAAP é hoje um dos grandes centros culturais do País, parte integrante do calendário de exposições e espetáculos e formadora de profissionais da mais alta competência.

A história da Fundação começa no início do século XX, quando o Conde Armando Alvares Penteado idealizava um centro cultural aglutinador de talentos do mundo das artes. Fundada em 1947, a partir de bens e terrenos doados em testamento pelo Conde para essa finalidade, a FAAP teve uma trajetória marcada pela incorporação de novas áreas de conhecimento além das artes. Desde então, aprimorou técnicas de gestão, ultrapassou os limites de São Paulo e se tornou um dos grandes centros de ensino nacionais.

A Diretoria Mantenedora da Fundação é composta por Celita Procopio de Carvalho, presidente do Conselho Curador, e Antonio Bias Bueno Guillon, diretor presidente. Aproximadamente 7 mil alunos se distribuem pelas seis faculdades da FAAP: Artes Plásticas, Comunicação e Marketing, Administração, Direito, Economia e Engenharia.

Além disso, cerca de 4,5 mil alunos freqüentam os cursos de pós-graduação e MBA no campus de São Paulo, localizado em Higienópolis, e nos campi do interior do estado - São José dos Campos e Ribeirão Preto - inaugurados em 2005. As ações educacionais e culturais também se estendem à capital federativa, Brasília, onde a Fundação mantém escritório. O Colégio FAAP, que conta com 350 alunos, complementa o processo educacional da Instituição, a partir de um Ensino Médio enriquecido com disciplinas como Criatividade, Empreendedorismo - que também fazem parte do currículo de todas as faculdades e cursos de pós-graduação da FAAP.

Em sua estrutura pedagógica, o Colégio FAAP oferece disciplinas ministradas em inglês e aulas complementares no período da tarde, que abordam cultura, artes, tecnologia, moda, fotografia, entre outras. Em 2010 foi anunciada a construção de uma unidade do Colégio FAAP em Ribeirão Preto, cujas aulas iniciaram com mais de 500 alunos.

Outra premissa da Fundação é estar sempre atualizada. Por isso, reestrutura seus cursos periodicamente para atender às demandas do mercado.

Soma-se a isso o diferencial único que é o de oferecer uma formação múltipla, em que o estudante tem a possibilidade de cursar, sem custos extras, disciplinas de outros cursos de graduação da FAAP. O objetivo é proporcionar o desenvolvimento de competências indispensáveis ao profissional de hoje, como versatilidade, visão ampla e capacidade de atuar em diferentes contextos.

A instituição possui ainda o Centro de Criatividade e Empreendedorismo com o objetivo de estimular os alunos a adotarem atitudes empreendedoras; e uma área de Gestão de Carreiras, focada em adequar perfis ao mercado e desenvolver habilidades necessárias para cada segmento de atuação.

Por acreditar no potencial dos seus alunos e ex-alunos, a Fundação prioriza a contratação de serviços terceirizados e fornecedores que tenham em sua liderança alunos ou ex-alunos, como incentivo ao desenvolvimento da carreira profissional.

Estrangeiros de diversas nacionalidades interagem com os  alunos da FAAP no campus de Higienópolis, por meio dos programas oferecidos pelo Departamento Internacionalização FAAP. Esta área concentra esforços na indicação, acompanhamento e celebração de convênios com importantes instituições internacionais. Atualmente, são 74 convênios bilaterais e multilaterais com mais de 380 universidades nos cinco continentes em mais de 50 países. Desde 2004, a FAAP promoveu o intercâmbio para mais de dois mil estudantes, entre os alunos que realizaram programas internacionais no exterior, e os estrangeiros que vieram para a Instituição. Hoje, conta com a presença de aproximadamente 400 alunos estrangeiros provenientes de 25 países, por ano.

A FAAP mantém também uma Residência Artística, concebida nos moldes da Cité des Arts, em Paris, que hospeda anualmente artistas de todo o mundo. Localizado no Edifício Lutetia, no centro de São Paulo, de propriedade da Fundação, o local vem se destacando internacionalmente por receber desde 2005 importantes artistas estrangeiros e brasileiros para o desenvolvimento de pesquisas e projetos, além de atividades de interação com os alunos.

in http://faap.br/imprensa/, acedido a 24 de dezembro de 2015

 

O Centro de Estudos dos Países de Língua Portuguesa (doravante designado pelo CEPLP), uma instituição académica incorporada no Instituto de Estudos Regionais da Universidade de Economia e Negócios Internacionais (UIBE, na sua sigla inglesa), foi oficialmente inaugurado a 16 de janeiro de 2012.

Com o objetivo de promover a cooperação amistosa entre a China e os Países de Língua Portuguesa, com o melhor apoio de funcionários governamentais, eruditos e empresários, que totalizam mais de 70 pessoas, referentes aos Países Lusófonos, o CEPLP envida esforços para ser uma instituição intelectual (Think Tank) dedicada aos Países de Língua Portuguesa.

Complementado pelo Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau), que foi fundado em 2003 em Macau, o CEPLP dedica-se à investigação principalmente nas áreas de política, economia, cultura e direito. Para realizar os seus objetivos, o CEPLP organiza seminários, palestras e cursos de formação, bem como publica livros académicos.

Regendo-se pelo princípio de fomentar a amizade, a cooperação e o intercâmbio entre a China e os Países de Língua Portuguesa, com o melhor apoio de especialistas e investigadores  da China continental, aproveitando Macau como plataforma e em ligação com os grupos de investigação dos países de língua portuguesa, o CEPLP desenvolve projetos de investigação histórica, mas também casos de estudos contemporâneos e genéricos, dos Países Lusófonos e regiões em que se inserem, nas seguintes áreas: política, economia, cultura e direito. Entretanto, o CEPLP destina-se a investigar ainda a situação atual, a evolução e a perspetiva das relações políticas, económicas e culturais entre a China e os Países de Língua Portuguesa, estudando, entre outros temas, o papel de Macau na cooperação económica e comercial e no intercâmbio cultural entre a China e os Países Lusófonos.

Após a sua fundação, o CEPLP elaborou, em 2013, o Relatório dos Dez Anos do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) (2003 a 2013) e o livro intitulado Estudos sobre os Países de Língua Portuguesa e lançará em breve o Relatório de Desenvolvimento dos Países de Língua Portuguesa (2014/2015). Entretanto, realizaram-se uma série de atividades académicas, promovidas e organizadas pela mesma instituição, incluindo dois seminários dedicados ao tema do futuro das relações sino-brasileiras, concretizados respetivamente em 2012 e 2013, com a cooperação do Instituto Brasileiro de Estudos da China e Ásia-Pacífico (IBECAP); o seminário do 10º aniversário do Fórum de Macau, em 2013; dois seminários sobre o desenvolvimento das relações sino-luso-brasileiras, organizado em conjunto com o IBECAP em 2014 e 2015; o seminário de 35 anos de relações diplomáticas e potencialidades futuras na relação Portugal-China, co-organizado pelo Observatório da China, Portugal, em 2014; e o seminário internacional sobre o desenvolvimento futuro da cooperação entre o Brasil e a China, com a colaboração das Faculdades de Campinas (FACAMP) do Brasil, em 2015, entre outros.